Especial 107 anos – Brinco de Ouro

Brinco de Ouro. Nossa taba. Construído com muita devoção. Desde 31 de maio de 1953, o Brinco  é a casa do Guarani. Neste capitulo  resgataremos a história deste estádio icônico, palco de tantas glórias, que estão marcadas na memória dos torcedores Bugrinos.

Ao longo deste dia 02 de Abril, o Departamento de Comunicação do Guarani  publicará uma série de quatro matérias com intuito de resgatar a história gloriosa do Bugre.

Brinco de Ouro

A história do Estádio Brinco de Ouro da Princesa começou em 1947, quando a Federação Paulista de Futebol profissionalizou seu “Campeonato do Interior”. O Guarani, um dos primeiros a aderir à iniciativa, percebeu que seu velho estádio, situado na rua Barão Geraldo de Rezende, bairro Guanabara, estava mais do que nunca ultrapassado.

O relatório apresentado pela “Comissão Pró-Reforma do Estádio”, liderada pelo diretor Antonio Carlos Bastos, ao então presidente Emílio Porto, foi conclusivo: o clube deveria buscar uma área maior para construir um novo estádio, ainda que mais distante do centro da cidade. Uma nova reforma do velho “Pastinho” era inviável e as dimensões do terreno, então pouco mais de 19 mil m², não permitiam que ali se construísse um novo estádio.

Surgiu, no início de 1948, uma proposta irrecusável: uma imobiliária interessada em lotear a área do Guanabara ofereceu uma gleba de 50,4 mil m² na chamada “Baixada do Proença”. Ainda executaria sua drenagem e terraplanagem, pagando 2 milhões de Cruzeiros, em parcelas, para início das obras do novo estádio. Negócio fechado em 2 de Abril, dia do aniversário do clube. Logo depois, o Guarani recebeu a doação de mais dois terrenos ao lado da área negociada, um de 19,405 mil m² e outro de 2,92 mil m².

Antonio Carlos Bastos passou a comandar a agora chamada “Comissão Pró Estádio”, com total autonomia para obtenção e aplicação de recursos, enquanto a Diretoria ficava com a responsabilidade de levar o time à 1ª Divisão do futebol bandeirante, já que a Federação Paulista instruiu em 1948 a “Lei do Acesso”, que permitiria ao clube campeão do interior juntar-se, no ano seguinte, aos clubes profissionais de São Paulo e Santos na 1ª Divisão.

Em 11 de Julho de 1948, um domingo festivo, que terminaria com mais uma vitória em “Dérbi”, os arquitetos Ícaro de Castro Melo e Osvaldo Correia Gonçalves apresentaram a maquete do novo Estádio. No dia seguinte, na redação do jornal Correio Popular, o jornalista João Caetano Monteiro Filho aguardava um clichê da foto da maquete para completar uma pequena matéria. Ao ver a forma circular e a beleza do novo estádio, lhe veio à mente a imagem de um brinco. E como Campinas era conhecida como a “Princesa D´Oeste”, criou no título um trocadilho que ficaria para a história: “Brinco de ouro para a “princesa”, publicado na página 6 da edição de 13 de Julho. Foi o que bastou para que a população passasse a chamar o futuro estádio dessa maneira. Quando se decidiu pelo nome oficial, não houve dúvida: Brinco de Ouro da Princesa.

No campeonato de 1949 veio o tão aguardado acesso à 1ª Divisão de Profissionais. Mais do que nunca, era preciso arregaçar as mangas e construir o estádio. Além dos 2 milhões de Cruzeiros pagos pela Imobiliária, outros 3,5 milhões foram arrecadados com a venda de Cadeiras Vitalícias. Mas era preciso muito mais. Foi quando alguns membros da “Comissão de Obras” se revelaram verdadeiros heróis. Bugrinos como João D´Agostino, Dr. Januário Pardo Mêo, Rubens Trefiglio, Luis Marcelino Guernelli, Vicente Canecchio Filho, Orlando Santucci e Raphael Radamés Pretti comandaram dezenas de outros colaboradores em iniciativas como a “Campanha do Cimento”, “Campanha do Tijolo”, “Campanha da Quermesse”, “Campanha da Boa Vontade” e outras 25 do tipo, conseguindo, pouco a pouco, os recursos necessários.

Ao contrário de outros clubes, o Guarani não teve ajuda financeira do poder público, quer Municipal ou Estadual. Seu estádio foi construído com o suor, trabalho e o amor dos verdadeiros bugrinos.

Chegou o ano de 1953. Depois de árduo trabalho, era preciso usufruir da nova casa. Não havia como concluir as cabeceiras do estádio e a saída foi construir arquibancadas de madeira provisórias atrás dos gols, aproveitando o madeiramento que veio do antigo “Pastinho”.

O programa de inauguração, idealizado por uma comissão liderada pelo Prof. Hilton Federeci, foi dos mais culturais e detalhistas que já se viu no País, em festividades do gênero. Para exemplificar, o Estádio seria batizado com água colhida no Rio Paraíba, em Taubaté, onde nasceu Francisco Barreto Leme, o fundador de Campinas, e junto à Cascata Guarani, no rio Paquequer, próximo à Teresópolis (RJ), onde – segundo o romance “O Guarani” de José de Alencar – teria se desenvolvida a saga do índio Peri. Foi esse livro que inspirou o maestro campineiro Antonio Carlos Gomes a escrever a ópera “O Guarani”, que, por sua vez, deu origem ao nome do clube.

Duas partidas amistosas foram programadas para a inauguração do Brinco de Ouro, sendo convidados Palmeiras e Fluminense do Rio para as festividades.

A 31 de Maio de 1953, sob a presidência do Dr. Ruy Vicente de Mello, foi inaugurado aquele que ainda hoje é um dos mais belos, completos e seguros estádios particulares do país, com o Guarani vencendo o Palmeiras por 3 a 1. Coube a Nilo a honra de marcar o primeiro gol oficial do novo estádio, aos 44 minutos do 1º tempo, cobrando falta no atual gol de entrada. Dido e Augusto completaram para o Guarani e Lima marcou para os visitantes. As chuvas que caíram naquele dia, porém, fizeram com que grande parte da solenidade fosse adiada para antes da segunda partida, realizada na tarde de 4 de Junho, quando o Fluminense venceu o Guarani por 1 a 0 (gol de Marinho).

No projeto original, o Estádio teria forma elíptica e capacidade para 29 mil pessoas. O setor coberto, das sociais e vitalícias, possuía número maior de degraus que as gerais, do lado contrário. As cabeceiras deveriam partir das arquibancadas cobertas, diminuindo até chegar nas gerais.

Por volta de 1960, no entanto, decidiu-se alterar o projeto e construir a Cabeceira Norte, com o mesmo número de degraus das sociais. O mesmo seria feito, futuramente, na Cabeceira Sul. A construção da atual “cabeceira do placar eletrônico” demorou pouco mais de 2 anos.

A inauguração do sistema de iluminação do Estádio Brinco de Ouro aconteceu em 11 de Janeiro de 1964, com o jogo amistoso entre Guarani e Flamengo, do Rio de Janeiro. Na primeira vez em que os dois clubes se enfrentaram, o Bugre venceu por 2 tentos a 1.

Sob a luz dos refletores, dispostos em quatro grandes torres de concreto, o Guarani obteve algumas de suas vitórias mais expressivas, como a heroica goleada, alcançada com uma equipe repleta de ex-Juvenis, sobre o Santos de Pelé & Cia., por 5 tentos a 1.

A Cabeceira Sul (atual entrada principal) começou a ser construída em 1966, com um primeiro segmento de arquibancada. No início dos anos 70, já sob a presidência de Leonel Martins de Oliveira, as obras foram retomadas e concluídas. Nessa época, também o Conjunto Poliesportivo, iniciado em 1960, teve novo impulso, com ótimo aproveitamento do terreno em torno do Estádio, ampliado por doações do poder público.

O Brinco de Ouro da Princesa, finalmente fechado em seu anel inferior, chegou a ter público superior a 33 mil pagantes. Dos dez maiores públicos verificados em Campinas até o ano de 1978, oito foram no estádio bugrino.

Quando da maior conquista do Bugre, o título de Campeão Brasileiro de 1978, estava sendo iniciada a construção do “Tobogã”, ainda sob a administração do saudoso presidente Ricardo Chuffi. Seu sucessor, Antonio Tavares Jr., deu sequência a uma obra vultosa e arrojada, que poucos clubes brasileiros já tiveram a coragem de executar, mas que aumentaria a capacidade do estádio em mais de 15 mil lugares. A venda de “camarotes” muito colaborou para o custeio das obras e alguns atletas campeões acabaram sendo negociados em prol da necessária ampliação do Brinco de Ouro.

Além do Tobogã, outras obras deram um contorno fantástico ao Brinco de Ouro. O edifício da Administração e as bilheterias circulares passaram a fazer parte da nova entrada principal do Estádio, realçando ainda mais sua beleza e eficiência. Atualmente a área foi revitalizada a fim de receber o busto do mestre Carlos Alberto Silva.

O Brinco de Ouro ainda possui, além de alojamentos para atletas profissionais e amadores, dezenas de salas e salões internos, em dois pavimentos, e fica circundado por um dos mais completos e funcionais conjuntos aquáticos e poli-esportivos do Brasil, um orgulho para os bugrinos.

Recordes

O Brinco de Ouro da Princesa foi palco de partidas memoráveis, inclusive de várias decisões de campeonatos. A Seleção Brasileira pisou em seu gramado duas vezes em 1966 (quando realizou jogos-treino contra um combinado campineiro, durante a preparação para a Copa do Mundo de 1966, na Inglaterra) e outra em 5 de Maio de 1990, quando venceu a Bulgária por 2 a 1, registrando o 2º maior público do Estádio: 51.720 pagantes.

O recorde foi estabelecido em 14 de Abril de 1982, com 52.002 pagantes, no jogo Guarani 2 X 3 Flamengo, pela Semifinal do Campeonato Brasileiro de 1982. Pelos atuais critérios de dimensionamento de público nos Estádios, essas marcas não mais poderão ser batidas.

Comemorações

As comemorações dos 107 anos do Guarani Futebol Clube serão realizadas após o Campeonato Paulista da Série A2. A diretoria do Alviverde está preparando uma programação especial para a comemoração desta data especial.